Noslen olebaR literatura, poesia, crônica e contos

Insisto em escrever porque é fazendo que se aprende.

Poesia por acaso

Sem inspiração estou agora.

Tento atiçar a imaginação mas ela demora.

Não consigo pensar em algo que faça rimas.

É como querer acertar o alvo com a flecha apontada para cima.

Não acho um bom assunto que se organize bem em versos.

Mesmo sabendo que no mundo há mil assuntos diversos.

Que coisa chata, não consigo imaginar.

Isso quase me mata, porque é horrível não poder pensar.

Mas espere um momento, mesmo não tendo um tema, se estas frases vou relendo, vejo que é um poema!

Clarice Pacheco.

Textos

QUE LIÇÃO PODEMOS APRENDER COM AS IRMÃS DE LÁZARO; MARTA E MARIA DE BETÂNIA?
Marta e Maria, bem como seu irmão Lázaro, moravam em Betânia, uma vila que ficava a cerca de três quilômetros de Jerusalém, no declive oriental do Monte das Oliveiras, na estrada para Jericó.

Quem foi Marta de Betânia?

O nome de Marta é mencionado na Bíblia apenas nos Evangelhos de;

LUCAS 10:38 – 42;

38 - E aconteceu que, indo eles de caminho, entrou Jesus numa aldeia; e certa mulher, por nome Marta, o recebeu em sua casa;

39  - E tinha esta uma irmã chamada Maria, a qual, assentando-se também aos pés de Jesus, ouvia a sua palavra.

40 - Marta, porém, andava distraída em muitos serviços; e, aproximando-se, disse: Senhor, não se te dá de que minha irmã me deixe servir só? Dize-lhe que me ajude.

41 - E respondendo Jesus, disse-lhe: Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária;

42 - E Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada.

Jesus estava nesse mundo, mas vivia o Reino espiritual, portanto ele não falava das coisas materiais, ou desse mundo, e sim somente do Reino espiritual.
***
JOÃO 11: 1 – 5;

1- Estava, porém, enfermo um certo Lázaro, de Betânia, aldeia de Maria e de sua irmã Marta.
2- E Maria era aquela que tinha ungido o Senhor com unguento, e lhe tinha enxugado os pés com os seus cabelos, cujo irmão Lázaro estava enfermo.

3- Mandaram-lhe, pois, suas irmãs dizer: Senhor, eis que está enfermo aquele que tu amas.

4- E Jesus, ouvindo isto, disse: Esta enfermidade não é para morte, mas para glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela.

5 –  Ora, Jesus amava a Marta, e a sua irmã, e a Lázaro.
***
Quando Jesus chegou, já fazia quatro dias que Lázaro havia sido sepultado. Betânia ficava a menos de três quilômetros de Jerusalém, e muitas pessoas tinham vindo visitar Marta e Maria para as consolarem por causa da morte do irmão. Quando Marta soube que Jesus estava chegando, foi encontrar-se com ele. Porém Maria ficou sentada em casa.
Então Marta disse a Jesus:
— Se o senhor estivesse aqui, o meu irmão não teria morrido! Mas eu sei que, mesmo assim, Deus lhe dará tudo o que o senhor pedir a ele.  
— O seu irmão vai ressuscitar! — disse Jesus.
Marta respondeu:
— Eu sei que ele vai ressuscitar no último dia!
Então Jesus afirmou:
— Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em mim nunca morrerá. Você acredita nisso? — Sim, senhor! — disse ela. — Eu creio que o senhor é o Messias, o Filho de Deus, que devia vir ao mundo.
Depois de dizer isso, Marta foi, chamou Maria, a sua irmã, e lhe disse em particular:
— O Mestre chegou e está chamando você.
Quando Maria ouviu isso, levantou-se depressa e foi encontrar-se com Jesus. Pois ele não tinha chegado ao povoado, mas ainda estava no lugar onde Marta o havia encontrado. As pessoas que estavam na casa com Maria, consolando-a, viram que ela se levantou e saiu depressa. Então foram atrás dela, pois pensavam que ela ia ao túmulo para chorar ali.

JOÃO 11:32 – 40;

32 - Tendo, pois, Maria chegado aonde Jesus estava, e vendo-o, lançou-se aos seus pés, dizendo-lhe:
-  Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido.

33 - Jesus pois, quando a viu chorar, e também chorando os judeus que com ela vinham, moveu-se muito em espírito, e perturbou-se.

34 - E disse: Onde o pusestes? Disseram-lhe: Senhor, vem, e vê.

35 - Jesus chorou.

36 - Disseram, pois, os judeus: Vede como o amava.

37 - E alguns deles disseram: Não podia ele, que abriu os olhos ao cego, fazer também com que este não morresse?

38 - Jesus, pois, movendo-se outra vez muito em si mesmo, veio ao sepulcro; e era uma caverna, e tinha uma pedra posta sobre ela.
39 - Disse Jesus: Tirai a pedra. Marta, irmã do defunto, disse-lhe: Senhor, já cheira mal, porque é já de quatro dias.
Pergunto: Porque Jesus não tirou a pedra? Porque ele espera que façamos a nossa parte.

40 - Disse-lhe Jesus: Não te hei dito que, se creres, verás a glória de Deus?
                                                 *****
Quem foi Maria de Betânia?

Não se sabe muito sobre quem foi Maria de Betânia, apenas que era irmã de Marta e de Lázaro;
***
LUCAS 10: 40 - Marta, porém, andava distraída em muitos serviços; e, aproximando-se, disse: Senhor, não se te dá de que minha irmã me deixe servir só? Dize-lhe que me ajude.

Perceba que a crítica não foi apenas direcionada a Maria, mas também a Jesus, que permitia que Maria ficasse ali.

Jesus respondeu a Marta dizendo que ela estava preocupada e irritada com muitas coisas, mas que havia algo muito mais importante e excelente do que aquilo que era alvo de sua atenção.

No início de sua resposta Jesus usou a expressão “Marta, Marta”, o que significava não apenas uma reprovação, mas também um conselho de terna afeição.
Jesus disse a ela que “uma só coisa é realmente necessária”. Alguns estudiosos sugerem que Jesus estava se referindo a própria refeição, como se estivesse dizendo que apenas uma simples refeição teria sido suficiente. Todavia, a sequência de sua resposta revela algo muito mais além:

“Maria escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada” (Lucas 10:41,42).

A expressão “boa parte” também pode ser traduzida como “boa escolha”, no sentido de ter escolhido a melhor parte, e que no texto aplica-se diretamente a frase antecedente:

“uma só coisa é realmente necessária”.

A boa parte que Maria escolheu, obviamente foi ouvir as palavras de Jesus.

Com isso, entende-se que ela demonstrava uma devoção e adoração sincera ao Senhor, e essa é a porção que jamais lhe seria tirada. Claramente essa conduta está em harmonia com seu exemplo ao ungir Jesus.
Marta e Maria e um drama familiar

Em João 11: lemos o relato sobre a morte e a ressurreição de Lázaro, irmão de Marta e Maria. Jesus era amigo próximo daquela família, e logo que Lázaro adoeceu, as duas irmãs rapidamente trataram de fazer com que alguém avisasse o Senhor.

Provavelmente Marta e Maria esperavam que Jesus prontamente fosse visitar o amigo doente e lhe curasse, mas o que elas não sabiam é que nos planos de Deus o milagre a ser realizado era muito maior do que a cura de uma doença (João 11:4).

Vamos reler:

Em João 11: 4- E Jesus, ouvindo isto, disse: Esta enfermidade não é para morte, mas para glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela.

Quando Jesus se aproximou da aldeia em que Marta e Maria moravam, Marta foi logo ao encontro dele, enquanto Maria ficou em casa, mas depois Marta a chamou e ela também foi ter com Ele. Tanto Marta quando Maria disseram a conhecida frase:

“Senhor, se tu estivesse aqui, meu irmão não teria morrido”
(João 11:21,32).

Marta foi a primeira a dizer, e como resposta escutou a extraordinária declaração de Jesus:

“Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá” (João 11:25).

Maria, quando disse essa mesma frase, estava prostrada chorando aos pés de Jesus.

João registra que nesse momento;

“Jesus agitou-se no espírito e perturbou-se”, e consequentemente chorou (João 11:32-35).

Finalmente, quando a pedra da sepultura foi removida, Jesus chamou a Lázaro e ele ressuscitou (João 11:41-44).

Maria de Betânia ungiu Jesus
Os Evangelhos relatam uma ocasião em que Maria de Betânia ungiu o Senhor Jesus .(Mateus 26:6; Marcos 14:3; João 12:3).

MARCOS 14:3 – E, estando ele em betânia, assentado à mesa, em casa de Simão, o leproso, veio uma mulher, que trazia um vaso de alabastro, com unguento de nardo puro, de muito preço, e quebrando o vaso, lho derramou sobre a cabeça.
No livro de João descobrimos de que se tratava mesmo de Maria de Betânia, irmã de Marta e Lázaro. Portanto, Maria ungiu Jesus durante uma ceia na casa de Simão, o leproso. Na ocasião, ela utilizou nardo puro que trazia consigo em um vaso de alabastro.

A atitude de Maria gerou indignação nos discípulos de Jesus, que a acusaram de desperdiçar recursos que poderiam ser revertidos aos pobres. No entanto, o Senhor repreendeu seus discípulos e aprovou o ato de Maria, inclusive ressaltando o profundo significado daquela ação que estava lhe preparando para o sepultamento, e também garantindo que o feito de Maria de Betânia seria lembrado em todo o mundo. (Mateus 26:13).
De fato a única maneira de compreender o significado do que foi feito por Maria quando ungiu o Senhor Jesus é entendendo que não apenas o vaso de alabastro é que havia sido quebrado, tal como não apenas o nardo puro é que havia sido derramado, mas seu próprio coração estava ali humildemente quebrado, derramando a mais genuína e profunda adoração, expressando toda a gratidão de sua alma perante o Filho de Deus.
Certamente podemos aprender muito com essas duas irmãs, Marta e Maria.

Com Maria aprendemos que o amor pela Palavra de Deus é o que realmente importa em nossas vidas, e que quando temos essa “única coisa que é necessária”, o resultado não pode ser outro se não uma adoração verdadeira que derrama nossa alma perante o Senhor.
Também quando lemos que “Maria escolheu a boa parte”, percebemos que a eleição divina não exclui a responsabilidade humana, antes, a inclui. É por isso que o apóstolo João mais tarde escreveu que:

“nós o amamos a Ele porque Ele nos amou primeiro” (1João 4:19).

A sequência da resposta do Senhor é um conforto para todos aqueles que repousam sobre sua graça, assim como Maria, isto é, a garantia de que a boa parte “não lhe será tirada”. Em outras palavras, o próprio Jesus explicou:

“E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão” (João 10:28).

Diante dessa verdade só nos resta concordar com o apóstolo Paulo e exclamar que nada poderá nos separar do amor de Deus;  
(Romanos 8:38,39).

Com Marta aprendemos que até mesmo os bons seguidores de Cristo algumas vezes precisam ser corrigidos. Algumas pessoas enfatizam por demais a repreensão de Jesus sobre Marta, como se ela fosse uma incrédula contrastando com sua irmã fiel.
Entretanto, não podemos jamais nos esquecer de que foi Marta quem declarou uma das mais belas profissões de fé encontradas no Novo Testamento. Diante da dor pela morte de seu irmão, Marta não duvidou da soberania do Deus Todo-Poderoso (João 11:21), e com seus lábios ela declarou que Jesus é o Cristo, “o filho de Deus, que havia de vir ao mundo” (João 11:27).

A Escritura registra que “Jesus amava Marta, sua irmã e Lázaro” (João 11:5), e certamente podemos entender que essa doce menção estende-se a todos os seus verdadeiros discípulos.

Que possamos ser mais como Marta e Maria, receptivos a correção divina e completamente devotos e admirados pela majestade do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

Para nós, essas palavras não têm preço: a relação especial de Deus com Israel brilha através delas. Deus que amou o mundo ama cada um de nós, independentemente da nacionalidade ou país de residência, e ainda assim as palavras admiravelmente afetuosas de Jeremias: 31:3 “‘Eu vos tenho amado com um amor eterno”’, / outra versão/  Porquanto com amor eterno te amei, por isso com benignidade te atraí, foram originalmente dirigidas a Israel e permanecem a declaração de amor de Deus para o Seu povo.

Glória a Deus, Amém Senhor.
NRS12122017
NOSLEN OLEBAR
Enviado por NOSLEN OLEBAR em 14/08/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras